HomenoticiasPeças de armas dos EUA usadas no ataque israelense à escola de...

Peças de armas dos EUA usadas no ataque israelense à escola de Gaza: análise da Al Jazeera

Entre os escombros da escola al-Sardi, gerida pelas Nações Unidas, no campo de refugiados de Nuseirat, no centro de Gaza, estavam os restos das armas que mataram pelo menos 40 palestinianos.

O ataque israelense nas primeiras horas de quinta-feira não deu nenhum aviso prévio às pessoas deslocadas que estavam abrigadas na escola. Quatorze crianças foram mortas, nove mulheres e pelo menos 74 outras pessoas ficaram feridas. As armas utilizadas para realizar o ataque – de acordo com uma análise da Al Jazeera aos fragmentos deixados para trás – foram fabricadas nos EUA.

Uma unidade de medição inercial do míssil, usada para auxiliar na mira precisa, foi fabricado pela Honeywellum conglomerado americano especializado no projeto e fornecimento de sensores e dispositivos de orientação usados ​​em uma variedade de armas militares.

A unidade de verificação Sanad da Al Jazeera descobriu que um dos fragmentos encontrados em Nuseirat trazia o fabricante e o número de categoria HG1930BA06, remontando à Honeywell. HG1930 refere-se ao sensor específico fabricado pela empresa.

O fragmento de míssil encontrado no local de um ataque israelense a uma escola administrada pelas Nações Unidas em Nuseirat, em 6 de junho. Os números do fabricante e da categoria no fragmento remontam ao fabricante norte-americano Honeywell [Sanad/Al Jazeera]

A mesma peça foi encontrada após o bombardeio israelense contra uma casa palestina em Shujayea, Gaza, em 2014. As duas peças, no atentado mais recente e no de 2014, têm o mesmo número de peça do fabricante inscrito nelas.

“Vemos também outros números como o MFR, HG 1930 e depois BA 06. Este é o número de peça do fabricante que fornece detalhes mais específicos sobre os componentes dos mísseis”, disse Elijah Magnier, analista militar e político independente, à Al Jazeera. “Agora, se você olhar a identificação do fabricante… é um formato usado pelo setor aeroespacial e de defesa dos Estados Unidos ligado à Honeywell.”

“A Honeywell é conhecida pelo fornecimento de IMU para diversas aplicações militares e, particularmente, pelos mísseis guiados que fornece à Força Aérea Israelense desde o ano 2000.”

A Al Jazeera entrou em contato com a Honeywell para comentar, mas ainda não recebeu resposta.

Os ataques israelenses aos espaços da ONU tornaram-se comuns durante a guerra de Israel em Gaza, que já matou mais de 36 mil palestinos.

Os Estados Unidos têm sido criticados pelo seu papel no apoio a Israel e, particularmente, pelo seu fornecimento contínuo de armas.

Os principais grupos de direitos humanos acusaram repetidamente Israel de violar o direito internacional, e Israel enfrenta actualmente um caso de genocídio no Tribunal Internacional de Justiça. O procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional também solicitou mandados de prisão para o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o ministro da Defesa, Yoav Gallant, pelas suas ações em Gaza.

Em Maio, um relatório do governo dos EUA descobriu possíveis violações israelitas do direito internacional em Gaza, mas não conseguiu identificar as violações que poriam fim à sua ajuda militar contínua. O presidente dos EUA, Joe Biden, ameaçou interromper o fornecimento de algumas armas ofensivas a Israel se este continuar a sua operação em Rafah, mas não executou a ameaça, apesar de Israel exercer pressão na área, que fica no sul de Gaza.

Restos de mísseis de ataque escolar da UNRWA, junho de 2024
Pelo menos 40 palestinos foram mortos no ataque de 6 de junho à escola al-Sardi em Nuseirat [Sanad/Al Jazeera]

Centro de Gaza sob ataque

O centro de Gaza foi recentemente alvo de severos bombardeamentos israelitas, que os palestinianos descreveram como semelhantes aos dos primeiros dias da guerra.

O ataque à escola al-Sardi em Nuseirat faz parte desse ataque.

“O bombardeio veio daqui”, disse Naim al-Dadah, um sobrevivente do ataque.

“Nós estávamos dormindo. O metal voador atingiu o telhado do outro lado e todas essas redes caíram ali, do outro lado. O que aconteceu conosco está além da imaginação de qualquer pessoa.”

Outras testemunhas dizem que o ataque despedaçou as pessoas. Os sobreviventes recolheram partes de corpos, incluindo de muitas crianças, até às primeiras horas da manhã. Detritos de armas foram espalhados pelos quartos destruídos e pelos colchões manchados de sangue. Várias salas foram alvo, embora a estrutura do edifício permanecesse intacta.

O porta-voz de língua árabe de Israel, Avichay Adraee, afirmou que a escola da ONU foi alvo porque abrigava um posto de comando do Hamas e combatentes envolvidos no ataque do grupo palestino em 7 de outubro a Israel, que matou 1.139 pessoas. Ele também afirmou que Israel tomou várias medidas para minimizar a possibilidade de vítimas civis. O diretor do gabinete de comunicação social do governo do Hamas, Ismail al-Thawabta, rejeitou as reivindicações de Israel.

Em Abril, o meio de comunicação +972 Magazine informou que Israel utiliza um sistema de inteligência artificial chamado Lavender na sua campanha de bombardeamento de Gaza. O relatório citou oficiais militares israelenses que disseram que o sistema gera alvos para matar. Para alvos de baixo nível do Hamas, afirma o relatório, o exército foi autorizado a matar 15 a 20 civis. Um ataque a um oficial mais graduado do Hamas com a patente de comandante de batalhão ou brigada foi usado para justificar a morte de mais de 100 civis.

Fuente

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments