HomenoticiasQuem está concorrendo para ser o próximo presidente do Irã?

Quem está concorrendo para ser o próximo presidente do Irã?

Seis candidatos foram aprovados para concorrer à presidência nas eleições que serão realizadas em 28 de junho.

O Irão realizará as suas eleições presidenciais em 28 de junho, numa votação que foi antecipada para 2025, após a morte do presidente Ebrahim Raisi num acidente de helicóptero no mês passado.

Embora o chefe máximo do Estado iraniano seja o líder supremo não eleito, aiatolá Ali Khamenei, o presidente ocupa a segunda posição mais poderosa.

Seis candidatos foram aprovados para concorrer à presidência e, em última análise, todos apoiam e são leais ao líder supremo e ao sistema político iraniano.

Vamos dar uma olhada mais de perto nos candidatos e no que poderá vir a seguir no Irã.

Quem são os candidatos à presidência?

Os seis são:

  • Mohammad Bagher Ghalibaf – porta-voz parlamentar, ex-prefeito de Teerã e ex-comandante da força aérea do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC)
  • Saeed Jalili – membro do Conselho de Discernimento de Conveniência, ex-negociador-chefe nuclear
  • Alireza Zakani – prefeito de Teerã
  • Masoud Pezeshkian – membro do parlamento
  • Mostafa Pourmohammadi – ex-ministro do Interior e da Justiça
  • Amir-Hossein Ghazizadeh Hashemi – chefe da Fundação para Assuntos de Mártires e Veteranos do Irã

Como eles são escolhidos?

Depois que os indivíduos apresentam seus documentos de candidatura durante um período definido pelos funcionários eleitorais, todos eles são examinados pelo Conselho Tutelar, que toma a decisão final sobre quem pode concorrer.

O Conselho Guardião é um comité de 12 membros nomeados que exerce um poder considerável no Irão.

Quantos candidatos foram rejeitados?

Este ano, tal como nas eleições anteriores, o Conselho Guardião rejeitou a maioria das candidaturas – os 74 candidatos rejeitados, incluindo alguns rostos famosos.

Talvez o mais conhecido, especialmente a nível internacional, seja o antigo presidente Mahmoud Ahmadinejad, que serviu entre 2005 e 2013.

Outros rejeitados incluem o ex-presidente moderado do Parlamento, Ali Larijani – que foi considerado um dos pioneiros – e o ex-vice-presidente Eshaq Jahangiri.

O Conselho Tutelar não explica por que rejeitou publicamente um candidato. O que se sabe é que os seus membros decidem sobre uma candidatura com base na lealdade percebida ao governo do Irão.

Existe um favorito para vencer as eleições?

Ghalibaf e Jalili destacam-se como os líderes imediatos. Ambos são conservadores, embora Ghalibaf seja visto como relativamente moderado, enquanto Jalili é linha-dura.

Jalili preenche muitos requisitos quando olha para um potencial vencedor, pelo menos no que diz respeito ao apoio do establishment. Ele tem fortes laços com Khamenei e com o poderoso IRGC paramilitar.

Ele também era próximo de Raisi e seria o candidato de continuação, tendo desistido em favor do falecido presidente nas eleições de 2021.

Ghalibaf, por outro lado, é um tecnocrata e também tem laços estreitos com o IRGC e Khamenei, mas será atacado por meios de comunicação ultraconservadores.

O Presidente do Parlamento, Mohammad Bagher Ghalibaf, em conferência de imprensa após registrar-se como candidato às eleições presidenciais no Ministério do Interior, em Teerã, em 3 de junho de 2024 [Majid Asgaripour/WANA via Reuters]

Pezeshkian é o único candidato que representa a política reformista iraniana, com outros candidatos semelhantes não aprovados para concorrer.

A sua única hipótese de sucesso é se o voto conservador for dividido entre Ghalibaf e Jalili e se um número suficiente de iranianos reformistas votarem.

No entanto, o movimento reformista no Irão já era politicamente fraco, com muitos iranianos antigovernamentais a recusarem-se a participar no sistema político para não o legitimarem.

Podem ser esperadas quaisquer mudanças políticas no Irão após as eleições?

A pequena lista de candidatos aprovados e as correntes políticas a que aderem em grande parte são sinais de que o Irão provavelmente continuará no seu actual caminho político após as eleições.

As eleições ocorrem num momento delicado para o Irão, com uma crise regional resultante da guerra de Israel em Gaza que ameaça arrastar o Irão para um conflito directo.

O país também ainda tem um forte movimento antigovernamental, embora os protestos tenham diminuído após serem reprimidos pelo Estado. Os protestos começaram em 2022, após a morte de Mahsa Amini, uma jovem acusada de não aderir ao código de vestimenta feminino do país.

O movimento afastou um número crescente de iranianos do sistema político, o que provavelmente consolidará ainda mais a ala conservadora do país no poder, pelo menos no curto prazo.

Fuente

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments