HomenoticiasTeste da Rússia: O Paquistão participará na cimeira de paz na Ucrânia?

Teste da Rússia: O Paquistão participará na cimeira de paz na Ucrânia?

Islamabad, Paquistão – Dias antes de a Suíça acolher uma cimeira global destinada a traçar um caminho para a paz na Ucrânia, o Paquistão está preso num dilema – deveria participar?

O Paquistão tem mantido uma posição neutra relativamente à guerra da Rússia contra a Ucrânia, e muitos analistas acreditam que o país de 236 milhões de habitantes tem demasiados riscos em jogo – desde as armas ucranianas ao petróleo russo – para ignorar o conclave. Mas outros advertem que a decisão do Paquistão pode ser parcialmente influenciada pela decisão da China de boicotar a cimeira, na qual a Rússia também não participará. A China é indiscutivelmente o parceiro estratégico mais importante do Paquistão hoje.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Paquistão confirmou no mês passado que recebeu um convite das autoridades suíças para a cimeira de dois dias em Lucerna, que terá início em 15 de Junho. “Ainda em discussão”, disse Mumtaz Zahra Baloch, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, à Al Jazeera via WhatsApp na quinta-feira.

Mais de 160 países foram convidados a participar na cimeira, que o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, solicitou que a Suíça acolhesse. Pelo menos 90 países confirmaram participação. Mas Moscovo e Pequim não participarão na reunião.

Tughral Yamin, ex-oficial militar e pesquisador sênior do Instituto de Estudos Políticos de Islamabad (IPSI), disse que era importante que o Paquistão participasse.

“O Paquistão deve participar na cimeira. Tem riscos na guerra. Temos fortes relações de defesa com a Ucrânia, ao mesmo tempo que estamos a tentar construir laços fortes também com a Rússia, que pode nos fornecer petróleo, por isso participar disto faz todo o sentido”, disse ele à Al Jazeera.

Fahd Humayun, professor assistente de ciência política na Universidade Tufts, concordou, apontando como o Paquistão defendeu o fim da guerra, mantendo uma posição neutra no conflito.

“É claro que existe o imperativo de não querer ser visto como alguém alinhado com nenhum partido”, disse ele. “No entanto, uma vez que esta é uma cimeira de paz, há também uma oportunidade para o Paquistão ter voz sobre uma importante questão regional e sinalizar que a sua participação não equivale de forma alguma a tomar partido no conflito”, disse Humayun à Al Jazeera. .

“Isso sinalizará que somos parceiros na redução da escalada de um conflito global, em vez de escolhermos um lado. Esse ponto pode ser habilmente sinalizado com antecedência a todas as partes interessadas”, acrescentou.

Caminhada na corda bamba entre Rússia e Ucrânia no Paquistão

O Paquistão cultiva laços fortes com a Ucrânia há três décadas, desde a dissolução da União Soviética. O Paquistão comprou vários sistemas de armas ucranianos de alto valor, incluindo tanques. Dados do Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI) mostram que a Ucrânia forneceu armas no valor de quase 1,6 mil milhões de dólares ao Paquistão até 2020.

No entanto, nos últimos anos, o Paquistão também reforçou as relações com a Rússia, um país do qual tradicionalmente manteve distância durante a Guerra Fria, quando Islamabad estava mais estreitamente alinhado com o Ocidente.

O ex-primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, encontrou-se com o presidente russo, Vladimir Putin, em fevereiro de 2022, o dia em que a guerra contra a Ucrânia começou [Mikhail Klimentyev/EPA]

O antigo primeiro-ministro Imran Khan, que visitou a Rússia no dia em que a guerra começou, em Fevereiro de 2022, sugeriu mais tarde que foi afastado do poder como parte de uma conspiração dos Estados Unidos porque estava a tentar reforçar os laços com a Rússia. Os EUA negaram essas acusações.

Após o início da guerra, apesar de manter a neutralidade, vários relatórios sugeriram que o Paquistão forneceu munições de artilharia à Ucrânia. The Intercept, uma publicação dos EUA, alegou num relatório do ano passado que os EUA facilitaram um pacote de resgate do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao Paquistão em troca de armas fornecidas à Ucrânia.

O Paquistão negou repetidamente estas alegações, com o Ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, a endossar a neutralidade do Paquistão durante a sua visita a Islamabad em Julho do ano passado.

Entretanto, mesmo após a destituição de Khan do cargo de primeiro-ministro, os líderes paquistaneses mantiveram intensos compromissos diplomáticos. O atual primeiro-ministro Shehbaz Sharif encontrou-se com o presidente Vladimir Putin duas vezes em dois meses no final de 2022, meses após a visita do ex-primeiro-ministro Khan a Moscovo.

O Paquistão também assinou um acordo de petróleo bruto com a Rússia em Abril de 2023, recebendo o primeiro carregamento dois meses depois, numa altura em que o Ocidente pressionava os países para pararem de comprar petróleo russo.

Taimur Khan, pesquisador associado do Instituto de Estudos Estratégicos de Islamabad (ISSI), especializado em laços com a Rússia, disse que o Paquistão teve a oportunidade de se beneficiar do giro de Moscou em direção à Ásia, num momento em que seus laços com o Ocidente estão no pior momento desde o fim da Guerra Fria.

Mas Khan disse estar cético em relação aos resultados da cimeira, devido à ausência da Rússia. “A cimeira tem como premissa a fórmula de paz apresentada pelo Presidente Zelenskyy, uma fórmula que a Rússia rejeita com razão, e que ambas as principais partes no conflito [Russia and Ukraine] não estar genuinamente interessado em quaisquer conversações de paz devido à situação volátil e fluida no campo de batalha”, acrescentou.

O governo suíço ainda não convidou a Rússia para a cimeira, apesar de estar aberto a fazer um convite. A Rússia rejeitou publicamente a cimeira como “absurda” e um “passatempo inútil”.

Mas há outro factor que complica a decisão do Paquistão sobre a participação na cimeira suíça, dizem os analistas: a China.

O Paquistão fará o que a China não fará?

Em 31 de Maio, a China deixou claro que não participaria na cimeira suíça.

“A China sempre insistiu que uma conferência internacional de paz deveria ser apoiada tanto pela Rússia como pela Ucrânia, com a participação igual de todas as partes, e que todas as propostas de paz deveriam ser discutidas de forma justa e igualitária. Caso contrário, será difícil desempenhar um papel substancial na restauração da paz”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning.

A guerra Ucrânia-Rússia entrou agora no seu terceiro ano. [Sergey Kozlov/EPA]
A guerra Ucrânia-Rússia entrou no seu terceiro ano agora [Sergey Kozlov/EPA]

Khan, o estudioso do ISSI, disse que a posição da China não deveria ditar a do Paquistão.

“Se a China tomou a decisão de não participar na cimeira pelas suas próprias razões, isso não significa que o Paquistão deva seguir o exemplo se não cumprir os seus interesses”, disse ele.

Humayun, o estudioso da Universidade Tufts, disse que se o Paquistão eventualmente decidir não participar na cimeira, essa decisão não deverá afectar os seus laços com o Ocidente.

“Se o Paquistão decidir não participar, em princípio, isso não deverá impactar as relações com a União Europeia ou com os EUA, que deveriam compreender que os países do Sul Global (incluindo a Índia) têm um conjunto independente de compulsões pelas quais estão a navegar, e prerrogativas como países soberanos”, disse ele.

Khan, o analista do ISSI, disse que se o Paquistão se mantiver longe de Lucerna, é pouco provável que essa decisão tenha consequências económicas numa altura em que precisa da assistência do Fundo Monetário Internacional (FMI), onde os EUA exercem grande influência.

“Não há dúvida de que o Paquistão precisa desesperadamente de assistência económica de parceiros e aliados, bem como do FMI. No entanto, não acredito que terá grandes repercussões económicas para o Paquistão se este decidir não participar”, disse ele.

Fuente

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments